Professor

Minha foto
Garanhuns, Pernambuco, Brazil
• FORMAÇÃO ACADÊMICA. Instituição: UPE – CAMPUS GARANHUNS Curso: Licenciatura Plena em História (2007) Curso: Pós-Graduação Programação do Ensino de História (2009) >>>• EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL Período:12 anos ATUALMENTE: Escola Estadual Elisa Coelho & Escola Municipal José Brasileiro Vila Nova Disciplinas: História, Filosofia, Sociologia e Artes...

Total de visualizações de página

quarta-feira, agosto 23

2017 Escola: Profª Elisa Coelho - Garanhuns - PE "IV Elis"Art" Mulheres Inspiradoras

Mulheres Inspiradoras tem como objetivo de multiplicar as referências femininas para os jovens. Por meio de leituras biográficas, crianças e adolescentes passaram a conhecer as histórias de mulheres que fizeram a diferença em sua comunidade e, quiçá, no mundo. Em meio a uma sociedade cada vez mais machista, o projeto desperta os jovens sobre o papel importantíssimo da mulher na sociedade.

2017 ESCOLA: José Brasileiro Vila Nova - Garanhuns - PE Agosto "Cultura Nordestina"

A cultura do Nordeste apresenta características próprias herdadas da interação da cultura dos colonizadores portugueses, dos negros e dos índios.







É importante destacar que a cultura representa uma complexa teia. Nela estão incluídos conhecimentos, costumes, artes, crenças, cultos religiosos, literatura popular, danças e hábitos de determinado grupo.
A cultura do Nordeste brasileiro (que compreende os estados do Maranhão, Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Sergipe e Bahia) desenvolveu hábitos próprios com relação ao mundo e às manifestações culturais. Esses hábitos foram transmitidos de geração em geração.

quarta-feira, julho 19

Significado da Morte nas diferentes Religiões Protestantismo

Protestantismo

Significado: os protestantes acreditam que a morte é apenas uma passagem para outra vida e não aceitam a reencarnação. "O movimento protestante acredita na próxima vida, mas em comunhão com Deus. Falar na vida eterna da alma é limitado porque acreditamos na ressurreição do corpo", diz o pastor da Igreja Metodista Fernando Marques.

Céu e Inferno: para os protestantes, existe o céu e o inferno. O julgamento ocorre não pelas ações da pessoa em vida, mas pela fé que ela teve na palavra de Deus e pelo amor ao Senhor.

Rituais: os rituais de velório e enterro são semelhantes aos dos demais religiosos. No entanto, quando um protestante morre, o velório é feito em função da família e não para o morto. O mais comum é que o velório ocorra na igreja, mas também pode ser feito no próprio cemitério. Os seguidores do protestantismo não usam velas, apenas flores. O ritual, chamado de Liturgia para Ofício Fúnebre, costuma ser feito pelo pastor, mas na ausência dele um leigo pode fazê-lo. A participação da comunidade é muito importante. São feitas leituras bíblicas e orações espontâneas. O corpo do morto, de acordo com as tradições protestantes, pode ser cremado ou enterrado. Se for enterrado, no cemitério o corpo é acompanhado até o túmulo, onde a família recita um versículo da bíblia e o pastor faz uma breve despedida. Diferentemente da Igreja Católica, não há celebrações após a morte. Se a família desejar, pode fazer um culto de gratidão a Deus pela vida da pessoa, mas não é uma norma.

Luto: os protestantes não têm imposição quanto ao luto.


Fonte: Folha Online

Significado da Morte nas diferentes Religiões Judaísmo

Judaísmo

Significado: para os judeus, a morte não é o final da vida, apenas o fim do corpo, da matéria. "A verdadeira pessoa, que é a alma, é eterna", diz o rabino Avraham Zajac.

Reencarnação: os seguidores das leis judaicas acreditam na existência de outro mundo, para onde as almas vão, chamado de olam habá (mundo vindouro). No entanto, a alma pode voltar para a terra, num outro corpo, para completar sua missão (reencarnação). "Acreditamos que a situação de vida que a alma terá depende de como a pessoa viveu no nosso mundo. Não são dois mundos diferentes porque o tipo de vida levado aqui afeta a vida no olam. Cada alma está na terra por alguma razão e tem uma missão a cumprir", diz o rabino.

Rituais: apesar de acreditar que a alma seja eterna, os judeus sentem a dor da perda e acreditam que ela deve ser expressa de várias maneiras. Quando um judeu morre, há um ritual chamado de tahará (purificação), no qual o corpo é lavado pelo chevra kadisha (grupo sagrado). Os judeus não permitem que seus mortos passem por autópsia. Depois de lavado, o corpo é envolvido em panos brancos e o caixão é fechado para que ninguém mais o toque. O enterro deve ocorrer o mais rápido possível. "Tudo usado no enterro deve ser de materiais simples, das vestimentas ao caixão, para não haver distinção entre um e outro", diz o rabino. Por isso não são usadas flores nem velas.

Não há cremação: as leis judaicas não permitem que o corpo seja cremado. "Tudo tem que voltar para a sua origem, da mesma forma que a alma volta. Se o nosso corpo saiu do barro, da terra, a maneira mais respeitável é colocá-lo de volta", afirma o rabino.

Cerimônias: junto do corpo, familiares e amigos rezam salmos e partes da Torá (livro sagrado dos judeus). Os parentes mais próximos rasgam um pedaço da roupa para mostrar o luto, que tem três etapas. A primeira delas dura uma semana. Durante este período, os parentes mais próximos não saem de casa nem para trabalhar. A roupa rasgada usada no enterro não é trocada durante a primeira semana. Não há cuidado com o corpo porque a preocupação é voltada apenas à parte espiritual. Por isso, todos os espelhos da casa são cobertos. Na primeira etapa, todos os amigos e familiares visitam a família que está de luto e conversam sobre a pessoa que morreu. "Não é saudável fazer de conta que nada aconteceu. Acreditamos que as pessoas têm que demonstrar seus sentimentos", diz. Até o final da segunda etapa do luto, que acaba depois de 30 dias, os homens não fazem a barba e os cabelos também não podem ser cortados. O luto termina no primeiro aniversário de morte, mas a pessoa sempre é lembrada na data de morte por todos os anos seguintes.

Significado da Morte nas diferentes Religiões Islamismo

Islamismo


Significado: para os seguidores do islamismo, a morte é uma passagem desta vida para outra eterna. "Quem fizer o bem será julgado por Deus e vai para o paraíso. Quem fizer o mal também será julgado e irá para o inferno", diz Abdul Nasser, secretário-geral da Liga Juventude Islâmica do Brasil. Os muçulmanos acreditam que o corpo após a morte não significa mais nada, mas a alma continua tendo valor. A morte se dá, portanto, quando o corpo se separa da alma.

Rituais: de acordo com as leis islâmicas, o corpo do morto é lavado pelos familiares – sempre do mesmo sexo – e enrolado em três panos brancos. Depois, é colocado num caixão para que os parentes mais próximos se despeçam dele. Em seguida, o corpo é levado à mesquita do cemitério islâmico e a partir deste momento apenas os homens participam da cerimônia. O sheik faz as orações para a alma da pessoa, numa celebração que dura cerca de duas horas. O caixão é carregado para o túmulo, composto por quatro paredes de pedra, onde o corpo será colocado sem o caixão em que foi transportado. O buraco é tampado com pedras e só depois de totalmente fechado a terra é jogada sobre a tampa.

Não há cremação: a cremação do corpo não é permitida pelas leis islâmicas.

Luto: o luto pela pessoa morta dura três dias. No entanto, quando a mulher perde o marido, o tempo de luto é de 4 meses e 10 dias. Na ocasião, a mulher não pode sair de casa, a não ser em caso de emergência. Pela tradição muçulmana, quando a mulher perde o marido e está no começo de uma gravidez, ela deve se despedir passando debaixo do caixão, para mostrar aos presentes que espera uma criança. "Acreditamos num Deus único, absoluto e individual, que jamais gerou ou foi gerado", diz Nasser.

Significado da Morte nas diferentes Religiões Espiritismo

Espiritismo

Significado: para os seguidores do espiritismo, a morte não existe. O espírito usa o corpo físico como instrumento para se aprimorar. "O corpo é uma veste e a reencarnação serve para o espírito evoluir", diz Ana Gaspar, das Casas André Luiz.

Reencarnação: quando o corpo morre, o espírito se desliga e fica no mundo espiritual estudando e se preparando para uma nova encarnação. Com a reencarnação, o espírito adquire experiências e evolui em outro corpo sucessivamente.

Rituais: os espíritas velam e enterram seus mortos da mesma maneira que os demais religiosos. Durante o velório, fazem preces e procuram manter o equilíbrio porque o espírito do desencarnado pode continuar por perto durante um período. Os espíritas não usam velas nem flores nas cerimônias fúnebres. O corpo pode ser enterrado ou cremado. Para cremação costuma-se aguardar mais de 72 horas

Não existe luto: e a vida dos familiares segue normalmente. "O espírita não tem fé, ele tem certeza", diz Ana.

Significado da Morte nas diferentes Religiões Catolicismo

Catolicismo

Significado: para os católicos, a morte é uma passagem. "Não existem mortos, mas vivos e ressuscitados. O Senhor nos toca e nos reerguemos para a vida eterna", diz o padre Paulo Crozera, coordenador da pastoral Universitária da PUC-Campinas.

Não há reencarnação: os seguidores do catolicismo acreditam que a morte é o batismo definitivo, o caminho para a vida eterna. Para eles, corpo e alma são uma só coisa. A reencarnação não é aceita.

Rituais: os católicos velam os corpos do mortos e, além das orações populares que costumam ser feitas durante o velório católico, como o Pai Nosso e a Ave Maria, um padre ou ministro leigo das Exequias faz uma celebração para encomendar a vida da pessoa às mãos de Deus. Nesse ritual, há a celebração da passagem do morto à luz do mistério da morte, por meio de orações e da benção do corpo.

Simbolismo: as velas, colocadas ao lado do caixão, simbolizam a luz do Cristo ressuscitado, e as flores são a "primavera da vida que floresce na eternidade".

Celebrações: o corpo pode ser enterrado ou cremado. No momento do enterro, há a "benção do túmulo", cujo objetivo é pedir o acolhimento do corpo pela terra. Depois de enterrado, ocorrem celebrações em memória do morto no sétimo dia, no primeiro mês e no primeiro ano.

Significado da Morte nas diferentes Religiões -Candomblé


 Candomblé
Significado: de acordo com a crença do candomblé, as pessoas são formadas por elementos constitutivos perecíveis e imperecíveis. A parte imperecível é chamada de ORI (cabeça interna, destino).

Vida após a morte: os seguidores do candomblé acreditam na continuidade da vida por meio da continuação da força vital. O ORI volta dentro da mesma família, mas em outro corpo.

Rituais: o corpo do iniciado no candomblé geralmente é velado no terreiro. O rito funerário, chamado de axexe, começa depois do enterro e costuma ser longo, podendo durar vários dias. A sociedade é chamada para participar do axexe, rito pelo qual o espírito do morto é encaminhado para outra terra. Na ocasião, os assentamentos – elementos simbólicos e materiais – são quebrados e jogados em água corrente.

Significado da Morte nas diferentes Religiões Budismo

Budismo

Significado: para os budistas, a morte é a única certeza. "Se nos lembrarmos da inevitabilidade da morte, geraremos o desejo de usar nossa preciosa vida humana de modo significativo", diz Ani-la Kelsang Pälsang, do Centro Budista Mahabodhi.

Treinamento: os budistas acreditam que treinando a mente durante a vida, o indivíduo estará tranquilo e sereno quando chegar a hora de morrer, o que garantirá um renascimento afortunado.

Reencarnação: os seguidores do budismo acreditam na reencarnação. "A única coisa que passa de uma vida para outra é nossa mente sutil. Como um pássaro mudando de ninho em ninho. Buda compara o processo de morrer e renascer com o ciclo de dormir, sonhar e despertar", diz Ani-la.

Reflexo da vida: de acordo com o budismo, toda ação em vida influencia decisivamente na vida futura. Para Buda, se a pessoa quiser saber quem foi no passado, basta olhar para sua condição no presente.

Ajuda: diante da morte, os budistas procuram manter o equilíbrio e ajudar os amigos ou parentes que estejam morrendo. Evitam o choro e o desespero para que a mente da pessoa permaneça positiva.

Rituais: no Japão, de acordo com a monja zen-budista Coen de Souza, usam-se flores dentro do caixão, tradicionalmente, e, além disso, uma tigela com arroz cozido, água, um vaso com flores, velas e incenso são colocados sobre uma mesa para que nada falte ao morto. Os budistas têm vários rituais funerários. Um deles é o powa (transferência de consciência), quando toda prece feita com intenção de ajudar o morto é válida e traz benefícios.

Não há luto: há apenas preces e dedicação dos pensamentos positivos à pessoa que morreu. No entanto, nos lugares mais tradicionais, como no Japão, a família guarda até 49 dias de luto como sinal de respeito. 


Cremação: desapegados das coisas materiais e não se preocupam muito com o cadáver, portanto não são contra cremação. As cinzas poderão ser depositadas em um templo, altar doméstico ou devolvidas à natureza.

Significado da Morte nas diferentes Religiões

Conhecer o significado da morte para diversas religiões é muito importante para quem atua no ramo funerário. Cada crença religiosa interpreta de maneira diferente o falecimento de uma pessoa. Respeitar os rituais é um dever humanitário. Confira o significado da morte para algumas religiões (em ordem alfabética):


quinta-feira, junho 15

37 ANOS DA EXPLOSÃO DAS BARRACAS DE FOGOS NO CENTRO DE GARANHUNS. UMA TRAGÉDIA NÃO ANUNCIADA

      


              Tudo começou às oito horas e trinta minutos de quinta-feira, dia 05 de junho de 1980, a barraca de vender fogos pertencente  ao senhor Protásio  Gomes Azevedo, conhecido por Tarzinho, motivada  por um  curto  circuíto na instalação  elétrica, explodiu e em menos    de dez segundos  também explodiu  a outra barraca  pertencente ao senhor  José Alves  da Silva  Filho, conhecido por José Barroso.


               Ambas as barracas de vender fogos foram armadas sobre a marquise que serve de cobertura para o Bar "O Colunata".  A explosão provocou um deslocamento de ar num raio de ação de mais ou menos quinhentos metros, cujo impacto arrancou o teto de várias casas comerciais localizadas na Avenida Santo Antonio, quebrando as vidraças e portas de várias delas.

              A mais atingida foi a Veneza Americana, pertencente ao senhor Silvio Apolinário que teve as portas arrancadas e as mercadorias totalmente danificadas.

          O setor bancário também sofreu terríveis danos, sendo que o mais atingido foi o Banco do Brasil que teve o forro de gesso dos dois andares totalmente danificados, dando a impressão de que havia sido decorado para uma baile de São João.


              O Cinema Jardim que ficava localizado na praça do mesmo nome, teve o forro da marquise e do salão de espera também destruído. A placa de cimento armado a ferro que cobre os boxes ficou parcialmente destruídos.

              Na catástrofe morreram quatro pessoas e trinta e oito ficaram feridas. Esta foi a segunda maior catástrofe acontecida em Garanhuns. A primeira foi a Hecatombe de 1917, por questões políticas, tendo morrido na ocasião mais de dez pessoas. Nesta calcula-se uma prejuízo de aproximadamente cinquenta milhões de cruzeiros. O Prefeito Ivo Amaral ao ter conhecimento do lamentável acontecimento comunicou-se imediatamente com o Governador do Estado e todas as Secretarias de Governo. Meia hora depois do acidente a Avenida Santo Antônio ficou sob controle das autoridades que tomaram todas as providências necessárias ao socorro às vítimas para evitar incêndio nas casas comerciais e bancos.

          É conveniente se ressaltar o trabalho desempenhado pelo 71º B.I. e 4º Companhia de Polícia que imediatamente enviaram seus soldados e num trabalho constante amenizaram o sofrimento de todas população.

             Também prestaram inestimáveis socorros a Prefeitura desta cidade que por determinação de Ivo Amaral foram colocados em ação todos os engenheiros, trabalhadores, secretários e os veículos do município, a Câmara Municipal, a Rádio Difusora que num trabalho de esforço e profícuo tranquilizou a população, a Celpe que imediatamente procurou através de seus eletricistas, consertar a rede de energia, prefeitos da região que vieram se solidarizar com o colega chefe do executivo local e o povo em geral que num espírito de solidariedade não saiu da praça durante todo o dia.

                  Garanhuns viveu naquela quinta-feira, dia Corpus Christi, o mais terrível drama de sua história. A nossa população de cento e vinte mil almas ficou totalmente traumatizada.

            Por volta das 13:30h chegou a esta cidade o Governador Marco Maciel, acompanhado dos Secretários José Tinoco, da Secretaria de Trabalho e Ação Social, Djalma Oliveira, da Secretária da Saúde e vários assessores do Governo.

             Na ocasião e no local do sinistro o Governador Marco Maciel prometeu toda ajuda necessária as vítimas e aos que sofreram danos materiais.


(Reportagem do Professor e Jornalista José Rodrigues da Silva (saudosa memória), para o Jornal "O Monitor" em junho de 1980 - Foto: Avenida Santo Antônio após a explosão).

IZAÍAS CONVOCA ELIANE PARA DAR UM JEITO NA EDUCAÇÃO


Com apenas cinco meses e meio do segundo mandato, o prefeito Izaías Régis (PTB) resolve mudar a titular de uma das principais secretarias do município. A partir de julho a professora Kauely Almeida deixará a pasta da Educação, sendo substituída por Eliane Simões, ex-presidente da Autarquia Municipal de Ensino e atual responsável pela Secretaria da Mulher.


Na primeira gestão, o prefeito teve como Secretária de Educação a professora Janecélia Martins, que embora não tenha complicado a área, não fez o setor avançar como se requer, num município do porte de Garanhuns.  Além disso ela sofria sérias restrições de parte do professorado. A experiência com Kauely, uma professora mais jovem, preparada e muito atenciosa, poderia ter dado certo, mas o conflito gerado pelo decreto alterando a carga horária dos docentes e o projeto de lei 012/2017, que não foi objetivamente explicado aos profissionais de ensino, pode ter levado Izaías a convocar alguém mais experiente e com mais jogo de cintura para comandar o setor que emprega o maior número de funcionários no município.

Eliane tem todas as credenciais para alterar as relações do Governo com os professores, estabelecendo o diálogo e implementando medidas que façam enfim a Educação se destacar na gestão do petebista.

Com a saída de Eliane Simões da Secretaria da Mulher, a pasta passará a ser comandada pela psicóloga Walkíria Ferreira,  que já atuava na área como coordenadora do Centro de Referência em Atendimento à Mulher. 

Segundo o setor de Comunicação da Prefeitura, o processo de transição dos cargos nas secretarias da mulher e educação será iniciado já  próxima sexta-feira, de modo que quando julho chegar Eliane e Walkíria estejam inteiramente a par de como está a situação em cada setor. 


PERFIL  - Eliane Simões Vilar é graduada em Biologia pela Universidade de Pernambuco (UPE) e em Sociologia pela Universidade Católica de Pernambuco (Unicap). Possui especialização em Psicologia Social, também pela Unicap, programação de Ensino de História (UPE) e Extensão em Antropologia Cultural pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Pós-graduada em Marketing e Gestão de Pessoas pela Autarquia Educacional de Ensino Superior de Garanhuns (Aesga). É mestra em Ciências da Educação pela Universidade Internacional de Lisboa; Maestria En Tecnologia Educativa, pela Universidad Tecnologica de Honduras; doutora Honoris Causa pelo Conselho Ibero Americano, que é composto pelas Universidades da América Latina.

fonte:
http://robertoalmeidacsc.blogspot.com.br/2017/06/izaias-convoca-eliane-para-dar-um-jeito.html

domingo, junho 4

Pense e repense...


Melhor video de cidadania que ja vi!


Melhor video de cidadania que já vi!

#EscProfessoraelisacoelho....POR QUE É IMPORTANTE FALARMOS EM CIDADANIA?

O conceito de cidadania é uma ideia dinâmica que se renova constantemente diante das transformações sociais, dos contextos históricos e principalmente diante das mudanças de paradigmas ideológicos. A cidadania conhecida na antiguidade clássica não é a mesma cidadania pela qual lutamos hoje e a que aspiramos concretizar nas gerações futuras.

Cidadania implica vivermos em sociedade, na construção de relações, na mudança de mentalidade, na consciência e reivindicação dos direitos, mas também no cumprimento dos deveres. Isto não se aprende com teorias, mas na luta diária, nos exemplos e principalmente com a educação de qualidade, grande propulsora para que o indivíduo possa desenvolver suas potencialidades e conscientizar-se de seu papel social que pode e deve fazer a diferença na construção de uma sociedade mais justa, livre e solidária.


Maio Amarelo na Escola José Brasileiro Vila Nova. Culminância #AnosIniciais #EJA

Movimento Maio Amarelo nasce com uma só proposta: chamar a atenção da sociedade para o alto índice de mortes e feridos no trânsito em todo o mundo.

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas, pessoas sentadas, tabela e área interna
O objetivo do movimento é uma ação coordenada entre o Poder Público e a sociedade civil. A intenção é colocar em pauta o tema segurança viária e mobilizar toda a sociedade, envolvendo os mais diversos segmentos: órgãos de governos, empresas, entidades de classe, associações, federações e sociedade civil organizada para, fugindo das falácias cotidianas e costumeiras, efetivamente discutir o tema, engajar-se em ações e propagar o conhecimento, abordando toda a amplitude que a questão do trânsito exige, nas mais diferentes esferas.A imagem pode conter: uma ou mais pessoas, pessoas sentadas e tabela


A imagem pode conter: 13 pessoas, pessoas sorrindo, pessoas sentadas, pessoas em pé e área internaNenhum texto alternativo automático disponível.A imagem pode conter: 11 pessoas, pessoas sorrindo, pessoas em pé e área interna

Os Africanos - Raízes do Brasil #3

No novo episódio, vamos conhecer melhor nossas raízes africanas e seu papel na formação da identidade brasileira.

Os Portugueses - Raízes do Brasil #2

Neste episódio, vamos conhecer a história e os costumes dos povos portugueses que colonizaram nosso país.

Os Indígenas - Raízes do Brasil #1

No primeiro episódio de Raízes do Brasil, vamos conhecer a história e os costumes dos primeiros habitantes do nosso país: os povos indígenas.

CADA VEZ MAIS PROFESSORES ADOECEM COM PROBLEMAS PSICOLÓGICOS

No Brasil, a carreira de professor está se tornando uma passagem, um momento de transição para outras funções. O profissional fica no magistério somente até conseguir um cargo mais bem remunerado e provavelmente menos estressante.

Prova disso é que 25% dos docentes brasileiros têm menos de 30 anos e apenas 12% estão com idade acima de 50, bem diferente do que ocorre em outros países. Aqui, o professor ingressa no magistério ainda jovem, mas em poucos anos, deixa de ver perspectivas.

A baixa remuneração é a gota d’água num contexto desastroso, que combina elementos como superlotação das salas de aula, aumento da indisciplina e do desrespeito pelos mestres, indiferença das famílias e desprestígio social da profissão, falta de estrutura e de recursos nas escolas e o próprio despreparo dos professores para lidar com os desafios educativos de hoje.

Esse quadro tem como primeira consequência o chamado “mal-estar docente”: cada vez mais professores adoecem com problemas psicológicos associados a estresse, exaustão emocional, depressão, cansaço crônico e frustração.

DIFERENÇA ENTRE PEDAGOGO E PROFESSOR


O pedagogo é um criador de caminhos para se chegar a um fim, podendo então lhe dar com qualquer que seja o tipo de educação que esteja lhe sendo apresentada, bem como utilizador de métodos educacionais, por isso é lhe imposta a tarefa de educar as crianças. Em suma, o pedagogo é um especialista em educação que associa as questões sociais e políticas ao aprendizado para fazer com que este seja melhor.
Já o professor, é quem usa os métodos para ensinar algo a alguém, por exemplo, o professor de filosofia aprende a filosofia e a forma de ensina-la, não é preparado para educar, e sim para ensinar a filosofia, o objeto principal de estudo dele é a filosofia.
O pedagogo pode atuar como professor aplicando o sistema que por ele foi criado para a transmissão do conhecimento, o docente não foi preparado para atuar em todas as áreas do saber educacional.

Abaixo está uma lista com as áreas de atuação do pedagogo.

ESPECIALISTA DE AÇÃO EDUCATIVA ESCOLAR
Supervisor pedagógico
Administradores escolares
Planejador
Coordenador
Orientador educacional
Instrutor

ESPECIALISTA EM ATIVIDADE PEDAGÓGICA PARA-ESCOLAR.
Técnico
Animador
Consultor
Psicopedagogos
Clínicos

SABERES PEDAGÓGICOS
São saberes que o pedagogo/professor deve ter para fundamentar a sua didática, estão entre esses saberes a história do seu povo, a filosofia de vida, a formação da sociedade, a psicologia entre outros; estes saberes servem para que o pedagogo crie métodos e para que o professor saiba qual método que melhor se adéqua aos estudantes, seja de qualquer classe social ou cor/etnia etc.
Os saberes pedagógicos são importantes para a vida de qualquer profissional da educação, pois é a partir deles que as ações didáticas tomam forma de saber.
Raros são os professores que fundamentam suas pedagogias.

Secretária manda professores irem trabalhar de jegue em Seropédica: ‘Com R$ 200 você compra’

A secretária de Educação, Cultura e Esporte e primeira-dama de Seropédica, na Baixada Fluminense, sugeriu que professores da rede municipal alugassem ou comprassem jegues para ir à escola. A recomendação foi feita durante uma reunião, dia 18 de maio, com diretores das escolas municipais. No encontro, a secretária Sônia Oliveira de Souza disse que só terá carona nos ônibus escolares o funcionário que auxiliar as crianças no ônibus.
"Eles irão se comprometer com vocês a auxiliar a criança no ônibus. Aquele que não quiser ajudar, não tem problema. Não é obrigado, mas eu também não sou obrigada a dar carona pra ele. Ele vai a pé! Ou então, ele aluga um jegue. Tem um monte de jegue baratinho. Com R$ 200 você compra um jegue", diz um trecho do áudio publicado no site do Jornal Perfil.
Sônia diz ainda que, se a escola é longe, isso não é problema dela, já que o professor sabia disso quando fez concurso e escolheu a unidade onde iria trabalhar.
Sônia é secretária de Educação e primeira-dama de Seropédica
Sônia é secretária de Educação e primeira-dama de Seropédica Foto: Reprodução
A declaração revoltou professores do município. Um deles, que preferiu não se identificar, disse que essa é uma forma da prefeitura economizar, porque deixa de contratar um profissional próprio para a função:
— Ela disse que precisa de pessoas para ajudar no ônibus. Libera carona, mas exige que o professor seja monitor e ajude a tomar conta das crianças para que dispense o monitor e poupe um salário para a prefeitura.
O Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação (Sepe) de Seropédica informou que, antes, seis escolas rurais recebiam o benefício do difícil acesso, que era de 10% sobre o salário. Desde junho do ano passado, o benefício pago aos servidores da Educação foi substituído pelo adicional de acesso, no valor de R$ 160, para quem trabalha cinco dias na semana, e de R$ 80, para quem trabalha dois.
— Essas escolas citadas no áudio são unidades de difícil acesso. Apesar dos professores e funcionários receberem essa ajuda de custo, não tem nenhuma linha de ônibus para que os funcionários cheguem ao trabalho — explicou Roseli Novaes, coordenadora do Sepe Seropédica.
Em nota, a secretária de Educação reconheceu que foi infeliz na sua declaração.Ela disse que sua reação foi consequência da reclamação de pais insatisfeitos com o fato de professores estarem ocupando o ônibus escolar:
“Foi um desabafo infeliz. Peço desculpas aos que se sentiram constrangidos. Minha reação foi consequência das reclamações de pais e mães de alunos que procuraram a prefeitura para se queixar de que alguns professores estavam ocupando indevidamente o espaço dos alunos nos ônibus escolares. Os professores de Seropédica recebem R$ 160,00 mensalmente como ajuda de custo de transporte. Estavam economizando dinheiro com a utilização indevida do transporte exclusivo para os alunos. Não esperava que a minha reação numa reunião com diretoras fosse ter essa repercussão toda. Foi quase uma brincadeira. Não tive a intenção de magoar ninguém.”




O Auto da Compadecida parte em que Nossa Senhora roga por João Grilo

A Compadecida:
- João foi um pobre como nós, meu filho. Teve de suportar as maiores dificuldades,
numa terra seca e pobre como a nossa. Não o condene, deixe João ir para o
purgatório. (SUASSUNA, p. 156)