Professor

Minha foto
Garanhuns, Pernambuco, Brazil
• FORMAÇÃO ACADÊMICA. Instituição: UPE – CAMPUS GARANHUNS Curso: Licenciatura Plena em História (2007) Curso: Pós-Graduação Programação do Ensino de História (2009) >>>• EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL Período:12 anos ATUALMENTE: Escola Estadual Elisa Coelho & Escola Municipal José Brasileiro Vila Nova Disciplinas: História, Filosofia, Sociologia e Artes...

Total de visualizações de página

quinta-feira, fevereiro 25

6ª ANO - AULA - 03 O desenho, a linha, o traçado e o preenchimento.

O desenho, a linha, o traçado e o preenchimento.

Desenho é a arte de representar formas e objetos usando traços e linhas.

A linha

Um ponto ao lado do outro, numa sequência que pode ser infinita, forma uma linha.
Há vários tipos de linhas, que podem ser classificadas de acordo com o traçado e a forma.

O traçado

* MISTA

* CHEIA

* TRAÇO E PONTO

* FINA
* PONTILHADA

A forma

* RETA
* CURVA
* ONDULADA
* FECHADA
* QUEBRADA


O preenchimento

A maneira como preencher os espaços do desenho pode variar, observe:

HACHURA - escala tonal utilizando linhas paralelas:



MONOCROMIA - escala tonal utilizando apenas uma cor:


POLICROMIA - utilização de duas ou mais cores


DIVERSIFICADA - utilização de símbolos, formas e palavras



CORES PRIMÁRIAS - são as cores que podem ser combinadas para criar outras cores. AMARELO, AZUL E VERMELHO:



CORES SECUNDÁRIAS - são as cores que se formam pela mistura de duas cores primárias.VERDE, LARANJA e VIOLETA:



CORES TERCIÁRIAS - cor composta por uma cor primária e uma ou duas cores secundárias. TODAS AS DEMAIS CORES. Ex. Marrom (vermelho + verde):



CORES QUENTES - cores que transmitem a sensação de calor. Tons de AMARELO, LARANJA e VERMELHO.



CORES FRIAS - cores que transmitem a sensação de frio. Tons de AZUL, VERDE e VIOLETA.



CORES NEUTRAS - complementa a cor desejada. TONS de CINZA e de MARROM e BRANCO.

9ª ANO - AULA 03 - Entenda a diferença entre logotipo e logomarca.

Entenda a diferença entre logotipo e logomarca.
Logotipo é uma marca composta apenas por letras ou pelo nome da empresa e logomarca tem um desenho, ou símbolo agregado, é mais trabalhada.

O LOGOTIPO é formado basicamente por nomes, podendo ter algum tipo de design em algumas das letras. Sendo assim, o LOGOTIPO é uma marca composta apenas por letras ou pelo nome da empresa. 

LOGOMARCA é a junção do nome com algum símbolo gráfico. Resumindo, a LOGOMARCA tem um desenho, ou símbolo agregado, é mais trabalhada.

 

sábado, fevereiro 20

Falta de escrever à mão 'pode prejudicar desenvolvimento cerebral das crianças'

AFP
Image captionPesquisa sugere que escrever à mão é mais benéfico para crianças
Uma pesquisa americana sugere que o uso excessivo de teclados e telas sensíveis ao toque em vez de escrever à mão, com lápis e papel, pode prejudicar o desenvolvimento de crianças.
A neurocientista cognitiva Karin James, da Universidade de Bloomington, nos Estados Unidos, estudou a importância da escrita à mão para o desenvolvimento do cérebro infantil.
Ela estudou crianças que, apesar de ainda não alfabetizadas, eram capazes de identificar letras, mas não sabiam como juntá-las para formar palavras.
No estudo, as crianças foram separadas em grupos diferentes: um foi treinado para copiar letras à mão enquanto o outro usou computadores.
A pesquisa testou a capacidade destas crianças de aprender as letras; mas os cientistas também usaram exames de ressonância magnética para analisar quais áreas do cérebro eram ativadas e, assim, tentar entender como o cérebro muda enquanto as crianças se familiarizavam com as letras do alfabeto.
O cérebro das crianças foi analisado antes e depois do treinamento e os cientistas compararam os dois grupos diferentes, medindo o consumo de oxigênio no cérebro para mensurar sua atividade

AULA 03 FILOSOFIA: ÉTICA E MORAL - MARILENA CHAUI

Toda cultura e cada sociedade institui uma moral, isto é, valores concernentes ao bem e ao mal, ao permitido e ao proibido e à conduta correta e à incorreta, válidos para to­dos os seus membros. Culturas e sociedades fortemente hierarquizadas e com diferenças de castas ou de classes muito profundas podem até mesmo possuir várias morais, cada uma delas referida aos valores de uma casta ou de uma classe social. No entanto, a simples existência da moral não signifi­ca a presença explícita de uma ética, entendida como filo­sofia moral, isto é, uma reflexão que discuta, problematize e interprete o significado dos valores morais. Ao contrário, toda sociedade tende a naturalizar a moral, de maneira a assegurar sua perpetua­ção através dos tempos. De fato, os costumes são anterio­res ao nosso nascimento e formam o tecido da sociedade em que vivemos, de modo que acabam sendo considerados inquestionáveis e as sociedades tendem a naturalizá-los (is­to é, a torná-los como fatos naturais existentes por si mes­mos). Não só isso. Para assegurar seu aspecto obrigatório que não pode ser transgredido, muitas sociedades tendem a sacralizá-los, ou seja, as religiões os concebem ordena­dos pelos deuses, na origem dos tempos. Como as próprias palavras indicam, ética e moral referem-se ao conjunto de costumes tradicionais de uma sociedade e que, como tais, são considerados valores e obrigações para a conduta de seus membros. A filosofia moral ou a disciplina denominada a ética nasce quando se passa a indagar o que são, de onde vêm e o que valem os costumes. Na língua grega existem duas vogais para pronunciar e grafar nossa vogal e: uma vogal breve, chamada epsílon, e uma vogal longa, chamada eta. Éthos, escrita com a vo­gal longa, significa costume; porém, se escrita com a vogal breve, éthos, significa caráter, índole natural, temperamen­to, conjunto das disposições físicas e psíquicas de uma pessoa. Nesse segundo sentido, éthos se refere às carac­terísticas pessoais de cada um, as quais determinam que virtudes e que vícios cada indivíduo é capaz de praticar. A filosofia moral ou a ética nasce quando, além das questões sobre os costumes, também se busca compreen­der o caráter de cada pessoa, isto é, o senso moral e a cons­ciência moral individuais. Podemos dizer, com base nos textos de Platão e de Aristóteles, que, no Ocidente, a ética ou filosofia moral inicia-se com Sócrates. Sócrates, o incansável perguntador Percorrendo praças e ruas de Atenas — contam Pla­tão e Aristóteles —, Sócrates perguntava aos atenienses, fossem jovens ou velhos, o que eram os valores nos quais acreditavam e que respeitavam ao agir. As pergun­tas socráticas terminavam sempre por revelar que os atenienses respondiam sem pensar no que diziam. Re­petiam o que lhes fora ensinado desde a infância. Como cada um havia interpretado à sua maneira o que aprendera, era comum, quando um grupo conversa­va com o filósofo, uma pergunta receber respostas dife­rentes e contraditórias. Após um certo tempo de conver­sa com Sócrates, um ateniense via-se diante de duas al­ternativas: ou zangar-se com a impertinência do filósofo e ir embora irritado ou reconhecer que não sabia o que imaginava saber, dispondo-se a começar, na companhia de Sócrates, a busca filosófica da virtude e do bem. Sócrates embaraçava os atenienses porque os for­çava a indagar qual a origem e a essência das virtudes que julgavam praticar ao seguir os costumes de Ate­nas. Como e por que sabiam que uma conduta era boa ou má, virtuosa ou viciosa? Numa palavra: o que eram e o que valiam realmente os costumes que lhes haviam sido ensinados? Dirigindo-se aos atenienses, Sócrates lhes pergun­tava qual o sentido dos costumes estabelecidos (os valores éticos ou morais da coletividade, transmitidos de geração em geração), mas também indagava quais as disposições de caráter (características pessoais, sentimentos, atitudes, condutas individuais) que levavam alguém a respeitar ou a transgredir os valores da cidade e por quê. Ao indagar o que são a virtude e o bem, Sócrates realiza, na verdade, duas interrogações. Por um lado, interroga a sociedade para saber se o que ela costuma considerar virtuoso e bom corresponde efetivamente à virtude e ao bem; e, por outro, interroga os indiví­duos para saber se, ao agirem, possuem efetivamente consciência do significado e da finalidade de suas ações, se seu caráter ou sua índole são virtuosos e bons realmente. A indagação ética socrática dirige-se, portanto, à sociedade e ao indivíduo. As questões socráticas inauguram a ética ou filo­sofia moral porque definem o campo no qual valores e obrigações morais podem ser estabelecidos pela determinação de seu ponto de partida: a consciência do agente moral. É sujeito ético ou moral somente aquele que sabe o que faz, conhece as causas e os fins de sua ação, o significado de suas intenções e de suas atitudes e a essência dos valores morais. Sócrates afirma que apenas o ignorante é vicioso ou incapaz de virtude, pois quem sabe o que é bem não poderá deixar de agir virtuosamente. 

AULA 01 -SOCIOLOGIA: POLÍTICA

1.1. POLÍTICA: ORIGEM E SIGNIFICADOS

A palavra política tem origem nos tempos em que os gregos estavam organizados em Cidades-Estado chamadas “pólis”, nome do qual se derivaram palavras como “politiké” (política em geral) e “politikós” (dos cidadãos, pertencente aos cidadãos), que estenderam-se ao latim “politicus” e chegaram as línguas européias modernas através do francês “politique” que, em 1265 já era definida nesse idioma  como “ciência do governo do Estado”.
O termo política é derivado do grego antigo πoλτєіa (politéia), que indicava todos os procedimentos relativos à pólis ou Cidade-Estado. Por extensão, poderia significar tanto Cidade-Estado quanto sociedade, comunidade, coletividade e outras definições referentes à vida urbana.
O termo política, que se expandiu graças à influência de Aristóteles, para este filósofo, política significava funções e divisão do Estado e as várias formas de governo, com a significação mais comum de arte ou ciência do Governo; desde a origem ocorreu uma transposição de significado das qualificadas como político, para a forma de saber mais ou menos organizado sobre esse mesmo conjunto de coisas.
Na época moderna, o termo política perdeu seu significado original, substituído pouco a pouco por outras expressões como ciência do Estado, doutrina do Estado, ciência política, filosofia política, passando a ser comumente usado para indicar a atividade ou conjunto de atividades que, de alguma maneira, têm como termo de referência a pólis, ou seja, o Estado.

1.2. CIÊNCIA POLÍTICA: ESTUDO DO PODER E DO ESTADO

O termo “Ciência Política” foi cunhado em 1880 por Herbert Baxter Adams, professor de história da Universidade Johns Hopkins. A Ciência Política é o estudo da política – dos sistemas políticos, das organizações políticas e dos processos políticos. Envolve o estudo da estrutura (e das mudanças de estrutura) e dos processos de governo – ou qualquer sistema equivalente de organização humana que tente assegurar segurança, justiça e direitos civis.
Política é ciência, porque estuda o comportamento humano e assim se torna possível estabelecer cientificamente algumas regras sobre a vida humana em sociedade e sobre como os seres humanos deveriam reagir em cada situação.
Os cientistas políticos estudam as instituições governamentais ou não governamentais (ONGs) como corporações (ou empresas), uniões (ou sindicatos, associações), igrejas, ou outras organizações cujas estruturas e processos de ação se aproximem de um governo, como partidos políticos em complexidade e interconexão.
Em uma concepção ampla, política é o estudo do poder, por que a tomada de decisões de interesses da coletividade (comum) é sempre um ato de poder. Nesta concepção consideram-se as relações de dominação seja através da política, da economia ou da ideologia, como relações de dominação de uma pessoa sobre a outra.
Na concepção restrita, política é ciência do Estado, por que atualmente a capacidade de tomar decisões, de interesse de toda a sociedade está nas mãos do Estado ou depende dele.

1.3. OS TIPOS DE PODER

O elemento especifico do poder político pode ser obtido das várias formas de poder, buscadas nos meios de que se serve o sujeito ativo da relação para determinar o comportamento do sujeito passivo. Assim, podemos distinguir três grandes classes de um conceito amplíssimo de poder:
Poder Econômico – é o que se vale da posse de certos bens, necessários ou considerados como tais, numa situação de necessidade, para controlar aqueles que não os possuem. Quem possui abundância de bens é capaz de determinar o comportamento de quem não os tem pela promessa e concessão de vantagens.
Poder Ideológico – este se refere na influencia que as idéias da pessoa investida de autoridade exercem sobre a conduta dos demais: deste tipo de conhecimento nasce a importância social daqueles que sabem, quer os sacerdotes das sociedade arcaicas, quer os intelectuais ou cientistas das sociedade evoluídas. É por estes, pelos valores que difundem ou pelos conhecimentos que comunicam que ocorre a socialização necessária à coesão e integração do grupo.

Poder Político – este se baseia na posse dos instrumentos (institucionais) com os quais se exerce a autoridade legal do uso da força. A possibilidade de recorrer à força distingue o poder político das outras formas de poder. A característica mais notável é que o poder político detém a exclusividade do uso da força em relação à totalidade dos grupos sob sua influência.

Aconteceu: 1ª TROTE DO 3ª ANO "A" DA APLICAÇÃO 2016...


terça-feira, fevereiro 16

Mensagem 2016...


Aula - 03 : Vivendo das artes: Ampliação quadriculado desenho

Programa com linguagem documental com duração de até seis minutos que apresenta o processo de produção das obras realizadas por Adriano Gianolla mostrando as etapas e ferramentas utilizadas. A intenção é mostrar que o trabalho artístico pode ser também uma profissão, inclusive como única fonte de renda

AULA 03 - Aprender a técnica da quadrícula.


Objetivo: Aprender a técnica da quadrícula. Encaminhamento metodológico: * Explique aos alunos que existem diversas técnicas para ampliar um desenho e que aprenderão uma delas: a técnica da quadrícula; * Explique que esta técnica  de mudança de escala é usada em trabalhos de pequena dimensão; * Mostre um desenho pequeno dentro de um quadrado dizendo que se quisermos ampliar o dobro por exemplo, devemos desenhar um segundo quadrado que seja o dobro do primeiro; * É preciso riscar a folha em quadrados iguais e numerar cada linha na horizontal e vertical; * Para ampliar o desenho é preciso copiar cada desenho dentro dos quadrados, procurando manter as proporções: 







Nesta lição, você vai aprender a técnica de quadrícula que vai lhe ensinar a aumentar ou diminuir desenhos. Quadricular consiste em traçar quadrados do mesmo tamanho. Sem quadricular torna-se difícil aumentar ou diminuir desenhos, fotos ou mesmo objetos ao natural. Desenhar por quadrícula foi um processo muito utilizado pelos grandes mestres da pintura. Para ampliar ou reduzir, você deverá usar sempre o mesmo número de quadrados. Veja o exemplo abaixo:


AULA - 02: TOQUINHO - AQUARELA




Numa folha qualquer eu desenho um sol amarelo
E com cinco ou seis retas é fácil fazer um castelo
Corro o lápis em torno da mão e me dou uma luva
E se faço chover, com dois riscos tenho um guarda-chuva
Se um pinguinho de tinta cai num pedacinho azul do papel
Num instante imagino uma linda gaivota a voar no céu

Vai voando, contornando a imensa curva norte-sul
Vou com ela viajando Havaí, Pequim ou Istambul
Pinto um barco a vela branco navegando
É tanto céu e mar num beijo azul

Entre as nuvens vem surgindo um lindo avião rosa e grená
Tudo em volta colorindo, com suas luzes a piscar
Basta imaginar e ele está partindo, sereno e lindo
E se a gente quiser ele vai pousar

Numa folha qualquer eu desenho um navio de partida
Com alguns bons amigos bebendo de bem com a vida
De uma América a outra consigo passar num segundo
Giro um simples compasso e num círculo eu faço o mundo

Um menino caminha e caminhando chega no muro
E ali logo em frente a esperar pela gente o futuro está
E o futuro é uma astronave que tentamos pilotar
Não tem tempo nem piedade nem tem hora de chegar
Sem pedir licença muda nossa vida
Depois convida a rir ou chorar

Nessa estrada não nos cabe conhecer ou ver o que virá
O fim dela ninguém sabe bem ao certo onde vai dar
Vamos todos numa linda passarela
De uma aquarela que um dia enfim
Descolorirá

Numa folha qualquer eu desenho um sol amarelo
Que descolorirá
E com cinco ou seis retas é fácil fazer um castelo
Que descolorirá
Giro um simples compasso e num círculo eu faço o mundo
Que descolorirá
Composição: Toquinho / Vinícius de Moraes
https://studiosol-a.akamaihd.net/letras/static/img/logo_impressao.v3dac636f.png?v=3

domingo, fevereiro 14

3º ANO - FILOSOFIA - 02 AULA - O que são normas sociais?

Algumas questões são importantes para compreendermos o que seriam “normas sociais”. O primeiro passo é compreender que trata-se de um fenômeno social que só existe em “comum acordo” entre os indivíduos de uma determinado grupo, por isso o adjetivo “social”. O segundo passo é compreender que sem elas seria impossível vivermos em sociedade.

A medida que o ser humano passou a viver em grupo foi necessário criar normas para que a convivência fosse possível. Essas normas são acordadas entre os indivíduos, em um primeiro momento, e aceitas pelos demais em um segundo momento. Ao nascermos, muitas das normas já estão postas e outras são construídas socialmente com ou sem nossa participação direta. Geralmente as normas sociais têm o objetivo de aperfeiçoar a convivência social e, consequentemente, a coesão entre os indivíduos do grupo. Para Emile Durkheim, a sociedade só existe devido as regras sociais que padronizam, se certa forma, as condutas dos indivíduos, estando à serviço da ordem e do bem comum. Já Karl Marx destaca que as normas sociais são criadas por aqueles que têm poder e com o objetivo de manter o status quo, em outros termos, as desigualdades existente entre os dominados e dominantes. Já Max Weber destaca que as normas sociais são fruto das ações e intencionalidade dos indivíduos. Enquanto Durkheim atesta que a sociedade determina as normas ao indivíduos, Weber afirma o aposto, pauta-se numa visão liberal, onde o indivíduo determina a sociedade.

As normas podem ser explícitas ou implícitas. As normas consideradas explícitas são aquelas que estão inscritas nas regras jurídicas. As normas implícitas não estão inscritas como legislação jurídica, mas são seguidas/observadas pelo grupo, tendo também sansões (físicas, psicológicas ou sociais) em caso de não observância.
Usando o futebol como exemplo, temos a pênalti como norma explícita e o fair play como exemplo de norma implícita. 

Na música “O que acontece na balada” é possível observarmos que há um grupo que só existe como tal devida a sua norma: o uso sigilo. Trata-se de uma norma implícita compartilhada entre os “baladeiros”. Segue a música:



O Que Acontece Na Balada
Interpretes: Thaeme e Thiago
Compositores: Nando Marx & Ed. Panttanal

O que acontece na balada
Fica na balada

Alguém me viu aqui?
Não!
Eu também não vi ninguém
Eu tava em casa
E fui dormir com saudade do meu bem

O que acontece na balada
Fica na balada
A turma tá sabendo
E ninguém pode falar nada
Se não a casa cai pra todo mundo
Ooooo

Tá todo mundo aqui na minha mão
Eu na mão de todo mundo
Tá lotado, tá bombado
Pra completar a festa ainda é open bar
E tem solteira
Tem casada
Decidida e mau amada
Tem as preparadas

Tem as santinhas
E as que não valem nada

Alguém me viu aqui?
Não!
Eu também não vi ninguém
Eu tava em casa
E fui dormir com saudade do meu bem


sexta-feira, fevereiro 12

AULA - 01 Pra que serve o estudo de SOCIOLOGIA e de FILOSOFIA?

A sociologia é uma das ciências humanas que estuda as unidades que formam a sociedade, ou seja, estuda o comportamento humano em função do meio e os processos que interligam os indivíduos em associações, grupos e instituições. Enquanto o indivíduo na sua singularidade é estudado pela psicologia, a Sociologia tem uma base teórico-metodológica, que serve para estudar os fenômenos sociais, tentando explicá-los, analisando os homens em suas relações de interdependência. Compreender as diferentes sociedades e culturas é um dos objetivos da sociologia. 
______________________________________... 
Enquanto esperavam o próximo discurso na agora, a praça das feiras e das discussões, os gregos do século 6 a.C. devem ter se perguntado: "Essa filosofia que apareceu por aí. Serve para que?" 

É próprio da filosofia perguntar, questionar, buscar explicações. Por que haveria ela de escapar à indagação sobre sua própria existência? Ela, que tanto preza a interrogação, não poderia mesmo se furtar a seu próprio porque. 

Vinte e cinco séculos se passaram e a velha pergunta não cala: para que serve a filosofia? Na opinião da maior parte das pessoas, no mundo utilitarista em que vivemos, tudo tem de ter uma razão de ser e uma finalidade. Então, a resposta ainda é necessária. E ela seria: a filosofia não serve para nada! 

Sem finalidade 
Mas você já pensou que muitas outras coisas não têm finalidade específica e nem por isso são importantes? A arte, por exemplo, serve para que? Qual a finalidade da natureza, do mundo físico? Não é por não serem utilitárias que a arte, a natureza e também a filosofia deixam de ter sua razão de ser. 

Se você já estuda filosofia na escola, deve estar se perguntando: "Por que estou lendo sobre filosofia, se ela não serve para nada? Para que vai me servir isso?" Você acaba de se questionar. Talvez tenha arranjado uma resposta, mesmo que provisória, e outra pergunta surgiu. É assim que se começa a filosofar. Perguntando sobre o mundo, sobre si e o outro. 

O que sou? 
O que sou? Essa é uma das primeiras perguntas que surgem para quem quer filosofar. Quer continuar? Pois saiba que vai se iniciar uma história de perguntas sem fim. Veja como Mariella Chiai, filosofa brasileira, descreve o pensamento filosófico: 

"Eu imagino que a filosofia busca uma atitude precisa: perguntar. E perguntar, não para encontrar imediatamente respostas. Perguntar para que respostas sejam dadas e voltar a fazer perguntas sobre as respostas que foram dadas. É nunca abrir mão da atitude crítica, sabendo que é uma atitude desgraçada, na medida em que não teremos nunca a vantagem de quem, em um navio, possui um mapa, uma bússola, todos os aparelhos eletrônicos, de tal modo que o piloto possa até mesmo dormir e o navio vá sozinho para o seu destino. A idéia de assumir até o fim um pensamento crítico é aceitar que navegamos sem mapa, sem bússola, no máximo talvez com uma estrela, e que essa estrela seja: continuar perguntando." (in, Lareira e Rios, 2004, pagas.29-30) 

"Só sei que nada sei" 
Isso lhe parece desesperador? Pense bem. Se quer continuar no caminho da filosofia, vai precisar se distanciar um pouco das certezas. A filosofia não lhe trará segurança a respeito de muita coisa. Sócrates, por exemplo, dizia: "Só sei que nada sei". 

Ele punha por terra tudo o que julgava mais certo, para então construir o seu conhecimento. Se você for aceitar o desafio de filosofar, vai perceber que a filosofia é assim meio fugidia, atiça nossas incertezas. Ela é sedutora como as sereias que quase encantaram Ulisses na "Odisséia". Mas, ao contrário do que acontece nessa história, a filosofia não põe em risco a aventura de navegar, sem mapas nem bússolas.

Aula 01 - O que é arte? para que serve?



Arte, é a capacidade do cérebro do ser humano, que tem em abstrair, somente os humanos fazem arte. 



A arte é uma criação humana com valores estéticos (beleza, equilíbrio, harmonia, revolta) que sintetizam as suas emoções, sua história, seus sentimentos e a sua cultura. É um conjunto de procedimentos utilizados para realizar obras, e no qual aplicamos nossos conhecimentos. Apresenta-se sob variadas formas como: a plástica, a música, a escultura, o cinema, o teatro, a dança, a arquitetura etc. Pode ser vista ou percebida pelo homem de três maneiras: visualizadas, ouvidas ou mistas (audiovisuais). Atualmente alguns tipos de arte permitem que o apreciador participe da obra. O artista precisa da arte e da técnica para se comunicar. 


Quem faz arte? 

O homem criou objetos para satisfazer as suas necessidades práticas, como as ferramentas para cavar a terra e os utensílios de cozinha. Outros objetos são criados por serem interessantes ou possuírem um caráter instrutivo. O homem cria a arte como meio de vida, para que o mundo saiba o que pensa, para divulgar as suas crenças (ou as de outros), para estimular e distrair a si mesmo e aos outros, para explorar novas formas de olhar e interpretar objetos e cenas. 



Por que o mundo necessita de arte? 

Porque fazemos arte e para que a usamos é aquilo que chamamos de função da arte que pode ser feita para decorar o mundo, para espelhar o nosso mundo (naturalista), para ajudar no dia-a-dia (utilitária), para explicar e descrever a história, para ser usada na cura doenças e para ajuda a explorar o mundo. 



Como entendemos a arte? 

O que vemos quando admiramos uma arte depende da nossa experiência e conhecimentos, da nossa disposição no momento, imaginação e daquilo que o artista pretendeu mostrar. 



O que é estilo? Por que rotulamos os estilos de arte? 

Estilo é como o trabalho se mostra, depois do artista ter tomado suas decisões. Cada artista possui um estilo único. 

Imagine se todas as peças de arte feitas até hoje fossem expostas numa sala gigantesca. Nunca conseguiríamos ver quem fez o quê, quando e como. Os artistas e as pessoas que registram as mudanças na forma de se fazer arte, no caso os críticos e historiadores, costumam classificá-las por categorias e rotulá-las. É um procedimento comum na arte ocidental. 

Ex.: Surrealismo 



Como conseguimos ver as transformações do mundo através da arte? 

Podemos verificar que tipo de arte foi feita, quando, onde o como, desta maneira estaremos dialogando com a obra de arte, e assim podemos entender as mudanças que o mundo teve. 



Como as idéias se espalham pelo mundo? 

Exploradores, comerciantes, vendedores e artistas costumam apresentar às pessoas idéias de outras culturas. Os progresssos na tecnologia também difundiram técnicas e teorias. Elas se espalham através da arqueologia , quando se descobrem objetos de outras civilizações; pela fotografia, a arte passou a ser reproduzida e, nos anos 1890, muitas das revistas internacionais de arte já tinham fotos; pelo rádio e televisão, o rádio foi inventado em 1895 e a televisão em 1926, permitindo que as idéias fossem transmitidas por todo o mundo rapidamente, os estilos de arte podem ser observados, as teorias debatidas e as técnicas compartilhadas: pela imprensa, que foi inventada por Johann Guttenberg por volta de 1450, assim os livros e e arte podiam ser impressos e distribuídos em grande quantidade; pela Internet, alguns artistas colocam suas obras em exposição e podemos pesquisá-las, bem como saber sobre outros estilos. 




Para que serve a arte? 
Claro que a resposta é muito pessoal. Mas intimamente, acredito que a arte é um dos poucos elementos em nossas vidas que serve para mostrar que não somos os imbecis que aparentamos ser no dia à dia. Fazer arte, principalmente política ou de crítica social, serve para mostrar que não somos simples bonecos de argila , totalmente moldados pela mídia e pela necessidade de grana para sobreviver. 
A Arte serve para mostrar que não aceitamos o mundo da forma que ele se apresenta, sabemos que ele é uma construção histórica, e que portanto, ele não está assim porque "as coisas são assim mesmo, sempre foi desta forma". 
Acreditamos na possibilidade de mudança, portanto, não queremos passar pela vida apenas exercendo nosso trabalho medíocre, nossa "honrada função na sociedade", que mal dá para o sustento, quando dá. Queremos soltar nosso grito glutual, nosso berro de desespero, verdadeiro horror pelas atividades repetitivas, pelo cotidiano entediante, pelo medo da insegurança, do desamparo e da miséria. Por isso fazemos arte. Para soltar este grito, para provar que não nascemos apenas por nascer, vivemos apenas por viver. 
Particularmente, eu, Maret, me fio à uma arte mais engajada, ela pode atualmente não agradar o público, mas...francamente não me magôo com isso, e não vou muda - la para adequa-la ao gosto do grande público.

quinta-feira, fevereiro 11

Apoio pedagógico



Professor
- Conhecer os critérios pré-estabelecidos para enviar alunos para o apoio
- Ter conhecimentos didáticos para planejar as atividades
- Dominar conhecimentos pedagógicos para saber acompanhar as aprendizagens dos alunos
- Preencher instrumentos de avaliação e acompanhamento das aprendizagens dos alunos

ORIENTAÇÃO INICIAL DE ARTE ENSINO FUNDAMENTAL

ORIENTAÇÃO INICIAL DE ARTE ENSINO FUNDAMENTAL 


Caro aluno (a), seja bem-vindo (a).

Você está iniciando uma nova etapa em sua vida: seus estudos. Juntos estaremos, iniciando o curso de ARTE. É importante que tenha consciência da necessidade de estudar, de produzir, criar suas atividades com bastante seriedade e dedicação.